Open/Close Menu Experiências e descobertas sobre a comida, a culinária e o comer

Screen Shot 2016-05-08 at 9.32.22 PM

Se você já frequentou algum restaurante chinês na vida, reparou que eles sempre tem mesas para mais ou menos de 8 a 12 pessoas. E claro, você sempre se vê na situação: “poxa, mas estou eu e … (mais um ou até 3) e teremos que dividir a mesa com estranhos…”

O motivo do desconforto pode ser explicado pelo simples fato de que nós não estamos habituados a dividir a mesa com estranhos. Espaços sim, mas a mesa não. As mesas estarem muito próximas umas das outras em ambientes como a praça de alimentação ou mesmo em restaurantes incomoda, mas tudo bem, é aceitável. Agora sentar na mesma mesa deixa as pessoas incomodadas… o que eu acho curioso, uma vez que tantos outros locais de alimentação estão trazendo essa “tendência” da mesa comunitária ou coletiva. Quer exemplos? Mocotó, Le Pain Quotidien e a Casa do Porco.

Mas o mais interessante é que compartilhar grande mesa já faz parte da cultura chinesa há bastante tempo. Ter a família e amigos reunidos em volta da mesa para comer é uma forma que os chineses tem de reforçar as relações sociais. Não por acaso, estar em uma mesa é a situação perfeita para: comemorar, conversar, conhecer pessoas e ainda fechar negócios!

Conversando com uma professora de história da alimentação, percebi que podemos entender esse detalhe da cultura chinesa de dividir a mesa através dos objetos e móveis que o próprio restaurante apresenta: mesas e cadeiras para 8 a 12 pessoas, uma tábua que roda no centro da mesa, dando a possibilidade que todos os que estão sentados consigam pegar todos os pratos, as tigelas e palitos individuais contrapõem o tamanho dos pratos que chegam com grandes utensílios de servir.

Uma grande diferença entre uma mesa compartilhada de um restaurante chinês para a mesa coletiva de um Butcher’s Market é que chineses pegam sua porção de um grande prato (por exemplo, uma grande tigela de macarrão ou um peixe inteiro com verduras) e a colocam em suas tigelas individuais. Já na maioria dos restaurantes que conhecemos, o prato já vem porcionado para cada cliente. Você não divide a comida, mas sim a experiência de comer, enquanto no outro caso você literalmente divide a comida, além da experiência de comer.

Por conta do grande número de pessoas, acontece uma outra coisa bastante curiosa: repare na quantidade de pratos pedidos por uma mesa de 8 pessoas. Não sei se acontece com todo mundo, mas quando temos uma mesa grande dessas, o pedido fica por conta dos chefes da família: mães e pais que vão opinar na escolha dos pratos. O que frequentemente acontece? Se você estiver no meio dessa mesa, quase certeza que no máximo você influenciou no pedido de um dos pratos, o resto do pedido é quase uma surpresa. É quase um menu degustação, você nem escolhe o que vai comer, mas vai comer um montão.

Mas isso é o que eu acho mais legal: comer em restaurantes chineses com um grande número de pessoas te dá a oportunidade de experimentar pratos que você não pediria. E se você não gostar, não tem problema pois todo mundo está dividindo aquele prato. E se ainda assim poucas pessoas não gostarem do prato (que é o que acontece quando pedimos bucho de peixe ou rã frita), sempre existe  felicidade para quem pediu de poder embrulhar e levar tudo pra casa! =)

Então, por que as mesas dos restaurantes chineses são tão grandes? Por que na cultura deles, comer é compartilhar a comida, a conversa, o espaço e a experiência, tudo com abundância!

 

Write a comment:

*

Your email address will not be published.

© 2015 DIM SUM CAFÉ . Todos os direitos reservados.